Vestibular

O Parque Tecnológico de Pelotas recebeu a visita do embaixador do Uruguai, Guillermo Valles Galmes, e da cônsul, Liliana Buonomo. As autoridades estiveram em Pelotas para conhecer o prédio planejado pelo arquiteto uruguaio Eladio Dieste, assim como o memorial que homenageia o seu nome. Uma exposição, criada por professores e alunos do curso de Arquitetura e Urbanismo da Católica de Pelotas (UCPel), pode ser conferida no local. 

Uma das idealizadoras do memorial, a professora da UCPel, Daniele Luckow, relembra que a ideia de homenagear o arquiteto uruguaio surgiu em 2021, com a inauguração do espaço datada em julho de 2022 e projeto da também professora da UCPel, Singoala Miranda. Conforme Daniele, o memorial tem previsão de continuação. “Queremos que esse espaço amplie a relação de Pelotas com o Uruguai, contribuindo para que sejam firmadas novas parcerias”, explica. 

Segundo o embaixador, Guillermo Valles Galmes, a relevância de retomar a história desse arquiteto em Pelotas é importante por ser uma conexão direta com o país vizinho, e, consequentemente, com uma grande figura do Uruguai. “Mostrar o universalismo das ideias, que tem muito da ciência, a partir da coisa mais simples, a cerâmica, construindo estruturas maravilhosas, é uma simbologia muito grande. Acredito que essa exposição nos reconecta”, aponta. 

Para o coordenador do Escritório de Desenvolvimento Regional (EDR/UCPel), Fábio Castro Neves, é notória a importância e reconhecimento de um trabalho realizado pelo curso de Arquitetura e Urbanismo da UCPel, que recorda a memória do arquiteto que tem obras espalhadas por todo o mundo. “Esse momento se torna importante para estreitar os laços da nossa universidade e da nossa cidade com o Uruguai, que é um país culturalmente muito parecido conosco, no modo de ser, até pela figura do gaúcho. Buscamos estar mais próximos e realizar atividades conjuntas”, aponta. 

Quem foi Eladio Dieste 

Eladio Dieste foi um engenheiro e arquiteto uruguaio que desenvolveu a técnica da cerâmica armada ao longo de sua trajetória profissional, entre meados dos anos 40 até o final da década de 90 do século passado. Seu trabalho teve reconhecimento nacional e internacional, com obras espalhadas pelo Brasil, Argentina e Espanha.

A proposta do memorial em homenagem ao arquiteto é apresentar à comunidade obras idealizadas por ele. O Parque Tecnológico buscou diante da pandemia, do afastamento do ponto de vista humano, uma forma de superar isso através da tecnologia, da informação, e da comunicação, afirma o Embaixador Guillermo, isso precisa ser mostrado ao mundo. 

Redação: Tiago Rodrigues