Curso de Arquitetura e Urbanismo da UCPel ganha programa de extensão voltado ao patrimônio

O projeto ‘Apoio às Práticas Patrimoniais’ do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) se tornou programa de extensão. Com a mudança, aumenta o número das áreas de atuação e de acadêmicos envolvidos nas atividades. Além do levantamento patrimonial, a ampliação tornará possível novas ações voltadas à educação patrimonial e ao patrimônio. 
Conforme relata a docente e coordenadora do programa, Daniele Luckow, a necessidade de expansão surgiu quando o grupo percebeu que muitas atividades desejadas não seriam possíveis através de projeto, mas sim de um programa. “Acabamos decidindo que o próximo passo seria a solicitação para nos tornarmos um programa de extensão”, conta.
Através de uma parceria com a Prefeitura de Pelotas, o ‘Apoio a Práticas Patrimoniais’ teve destaque na cidade. O projeto foi responsável por realizar o levantamento de 1790 prédios inventariados em Pelotas. O estudo mostrou que 25% dos imóveis analisados sofreram algum tipo de intervenção. 
Além de seguir trabalhando com levantamentos, agora o grupo está apto para expandir as atividades. Educação patrimonial e uma linha sobre qualificação serão os novos temas estudados pelo projeto. A coordenadora explica que a parceria com a Prefeitura ainda segue, e as ações sobre os novos temas serão trabalhadas em conjunto. “Trabalharemos sobre educação patrimonial e qualificação diretamente com a prefeitura, de acordo com as demandas recebidas”, informa. 
Outro destaque para a mudança é a quantidade de alunos bolsistas envolvidos. Com a modificação, o número de bolsistas remunerados passa de um para três. Os bolsistas voluntários passam de cinco para seis acadêmicos. Além desses, o sétimo semestre também trabalhará com os integrantes do projeto através de disciplinas como Ateliê VII e Projeto Urbano II.
De acordo com Daniele, a alteração de projeto para programa irá possibilitar uma experiência mais ampliada para todos acadêmicos e professores envolvidos. “Serão atividades bem mais específicas da arquitetura que oportunizarão práticas para a atuação futura no mercado de trabalho”, aponta. 
Depois de um ano de projeto de extensão, o grupo obteve três produtos. O primeiro foi a parceria para o levantamento com a Prefeitura, o levantamento do Prédio Santa Margarida e um estudo colorístico do prédio da Reitoria. 
Redação: Rafaela Rosa

foto da notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *